Olhos do Céu - O grupo Olhos do Céu

Desculpem o atraso na postagem. Estive fazendo provas na faculdade, e não pude atualizar o blog nesse meio tempo.

Como já foi dito, a Olhos do Céu é uma organização de super-heróis fundada pelo Forjador, com o intuito de ter uma força alternativa aos Vigilantes da Terra, que pareciam estar se tornando perigosos demais.

História


Os Vigilantes, ao contrário do que o nome pode insinuar, é um grupo bastante politizado. O antigo bloco econômico do Mercosul, graças à atuação dos superhumanos (que são encontrados em maior concentração no Brasil, por motivos ainda incertos), se tornou uma única e poderosa nação, a "Sulamérica". Os Vigilantes funcionam como a polícia superheróica do país, impondo ordem ao que poderia ser um conjunto de seres superpoderosos caóticos.

Porém, por estarem atrelados ao governo, começaram a realizar missões não relacionadas a superseres, de cunho mais político, o que, entre outras coisas, acabou formando a nação da Sulamérica em um espaço de tempo realmente curto.

Forjador e seu grupo, outrora importantes aliados dos Vigilantes, começaram a vê-los com maus olhos. Um deles, Andreas, com capacidade de viagem interdimensional, decidiu sair dessa linha temporal e ir para outra. Áurea, que tomou o lugar do imperador intergalático Rá, foi exercer sua função de imperatriz intergalática.

Os restantes se juntaram a Forjador, criaram um satélite (para representar a completa independência de qualquer nação ou política), espalharam câmeras conectadas ao satélite por diversas partes da Terra e fundaram os Olhos do Céu.

A princípio, funcionou muito bem (aos moldes de Liga da Justiça), exceto pela rivalidade com os Vigilantes, que provocaram muitos conflitos entre os grupos, até ambos os lados perceberem que conflitos físicos não eram a melhor forma de resolver as diferenças (já que colocava a vida de inocentes em risco frequentemente).

Entretanto, o impensável ocorreu. Labirinto, um dos inimigos do Forjador mais perigosos, decidiu impor medo novamente, e acabou matando Ana, a filha adotiva do Forjador.

Ele não aguentou tamanha fúria contra o antigo inimigo. Sem pensar, sem hesitar, Forjador se equipou com força letal, e assassinou o Labirinto. A partir desse instante, os Olhos do Céu se tornaram uma força tão perigosa quanto os Vigilantes, pois passaram a se utilizar de assassinato como ferramenta de justiça. Além disso, por ter câmeras pelo globo, passaram a vigiar constantemente as ações de cada cidadão considerado suspeito, até o ponto de invadir a privacidade de muitos.

Organização


A organização dos Olhos do Céu é altamente hierárquica, e cada nível garante, além dos privilégios de liderança, acesso a informações cada vez mais secretas. Os níveis hierárquicos seguem as denominações das letras gregas, assim o mais baixo é o "Ômega", e o mais alto (o próprio forjador) é o "Alpha".

Tal hierarquia é válida apenas no que se refere a acesso de informações. A hierarquia de subordinação é dependente da missão: em uma missão, um Ômega pode ser o líder, enquanto um Delta é subordinado, ou mesmo vice-versa. Apenas o Alpha e os Betas não se submetem à liderança de hierarquias mais baixas.

A hierarquia também impede os membros de acessarem partes da nave. Há apenas uma sala restrita aos Betas, onde apenas o Forjador pode entrar. Ninguém além dele sabe o que há dentro daquela sala, que é fortemente monitorada.

Outras informações


Os Olhos do Céu patrulham o mundo inteiro, mesmo a Sulamérica. Quando eles realizam missões neste país e encontram os Vigilantes, conflitos acabam ocorrendo (os Olhos do Céu não têm autonomia de atuar lá, apesar de o fazerem).

Quando julgam necessário, os Olhos do Céu eliminam ameaças que consideram perigosas demais, o que muitas vezes inclui vidas de vilões.

Não se importam em manter privacidade. Monitoram mesmo locais privados, o que inclui algumas residências.

Não possuem bases na Terra, apenas a nave do espaço.



No próximo post sobre o cenário, falarei sobre o grupo rival: os Vigilantes da Terra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sinto muito, mas GURPS não é bom

Em defesa do New School

Conflitos não-combativos