Explicando Repertórios

Repertórios (conhecidos por quem joga a versão em inglês como "Arrays") são uma das partes mais importantes - mas também uma das complexas - do M&M, e com eles vêm boa parte da sutileza e flexibilidade que o sistema apresenta.

Basicamente, o conceito de Repertório não é difícil de entender. É apenas um conjunto de poderes alternativos. Assim, se você tem Raio 7 (Poder Alternativo: Armadilha 7), já tem um Repertório, cujo poder-base é o Raio. Sim, basta ter um único Poder Alternativo para se ter um.

Porém, o livro Ultimate Power trata o Repertório como um poder estrutural. Não vou me aprofundar muito nisso, já que tratar Array dessa forma serviu apenas para dar uma notação mais clara aos Poderes Alternativos. Assim, se antes você escreveria:

Raio 12 (Poderes Alternativos: Raio 8[Área Estouro], Armadilha 12)

Pela notação do Ultimate Power, você escreve:

Array 24 pontos
Poder-base: Raio 12
PA: Raio 8(Área Estouro)
PA: Armadilha 12

O Ultimate Power também elucidou uma porção de equívocos comuns usando uma explicação mais clara: você pode usar um único poder do Repertório por rodada. Então não, você não pode disparar um Raio, e depois (na mesma rodada) ativar um Campo de Força do mesmo Repertório, a menos que seja um Repertório Dinâmico.

Trocar de um poder para outro é considerado uma ação livre, ou seja: precisa ser feito na sua rodada; então você não pode ativar um Campo de Força na rodada de outra pessoa.

Repertórios Dinâmicos são um pouco mais complicados: você pode distribuir os pontos reservados do Repertório entre os Poderes dele. Digamos, nesse Repertório:

Array 24 pontos
Poder-base: Raio 12, Dinâmico
PA: Vôo 12, Dinâmico
PA: Campo de Força Impenetrável 12, Dinâmico

O custo total desse Repertório é de 29 pontos (24 base, 2 pelos Poderes Alternativos, 1 para cada poder dinâmico). Geralmente, os custos geram confusão, mas calcule como calcularia normalmente, adicionando 1 para cada poder que seja Dinâmico (incluindo o poder-base).

O funcionamento é mais complicado do que de um Repertório comum, mas não tanto quanto parece à primeira vista. O custo do poder-base (no caso do exemplo, 24 pontos) serve como um conjunto de pontos "compartilhados" entre os diversos poderes da Array. Você pode colocar alguns dos pontos em um poder, outros em outro, o que sobrar em mais um, e usar todos ao mesmo tempo (desde que tenha ações o bastante para isso, claro).

No exemplo dado, você poderia usar Raio 6, Vôo 6 (o que totaliza 24 pontos); Raio 8, Vôo 4; Raio 3, Vôo 3, Campo de Força Impenetrável 6; Raio 3, Campo de Força Impenetrável 9; ou qualquer combinação dos poderes que totalize 24 pontos (inclusive usar só Raio 12, ou só Vôo 12, ou só Campo de Força Impenetrável 12).

A vantagem de um Repertório Dinâmico é clara: você tem relativa flexibilidade por um custo mais barato que comprar os poderes isoladamente. Mas há algumas desvantagens, também.

A primeira, é que você geralmente vai ficar em desvantagem em termos de "potência" do poder, raramente usando um poder em sua capacidade máxima.

A outra desvantagem é o atraso no jogo. Ficar recalculando a alocação de poderes em cada rodada atrasa um pouco o andamento do jogo, o que pode frustrar o resto dos jogadores.

Particularmente, nunca precisei criar um personagem que use um Repertório Dinâmico. Usar Repertórios comuns e poderes separados geralmente me basta.

Usar Repertórios permite uma flexibilidade muito maior do que o simples "ter vários poderes a um custo menor". Imagine um personagem ao estilo de Kamen Rider Black RX ou Crysis: várias combinações de poderes diferentes, cada combinação com igual utilidade, mas usável em circunstâncias diferentes. Tudo o que você precisa é de um Repertório de Formas Alternativas! Ou então um personagem que sabe várias posturas de artes marciais diferentes, e as mistura o tempo todo: você pode simular isso com um Repertório Dinâmico.

Além de tudo, você pode usar Esforço Extra (em conjunto com Pontos Heróicos, ou não) para representar os poderes de um Repertório que raramente são usados, mas que de vez em quando um personagem usa. Um exemplo é quando o Yusuke usava Shotgun, em vez do Raygun. Era tão ocasional, que nem valeria a pena comprar o poder, seria mais vantajoso usar um Ponto Heróico para usá-lo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sinto muito, mas GURPS não é bom

Em defesa do New School

Conflitos não-combativos